Porque a estante é limitada e a vontade de ler ultrapassa esses limites, há que ceder à tentação de guardar todos os livros e cedê-los a outros. PORTES DE ENVIO grátis para encomendas no valor = ou superior a 7€. LISTA: livros2amao@sapo.pt

mais sobre mim

posts recentes

Marc de Smedt - Elogio do...

Henry David Thoreau - A A...

Werner Herzog - Caminhar ...

Carlos Ferreira - Alguma ...

tags

adolescência(5)

áfrica(4)

alpinismo(2)

amizade(3)

amor(5)

ano novo(3)

aprendizagem(2)

augusto cury(2)

aventura(8)

barcelona(2)

bernard cornwell(2)

blog(4)

brasil(2)

brincos(2)

caminhar(4)

caminho de santiago(2)

campanha(3)

campos de concentração(4)

cancro(2)

cão(2)

ciências sociais(3)

citações(2)

clássicos(7)

conselhos(2)

contos(5)

coragem(3)

cormac mccarthy(2)

criança(2)

crónicas(6)

danielle steel(2)

desafio(3)

desafios(2)

desconto(2)

desejos(4)

desportista(2)

desporto(4)

determinação(2)

diário(2)

dicas(2)

dificuldades(4)

distopia(2)

dor(2)

drama(8)

droga(5)

e.s. tagino(2)

economia(2)

educação(2)

elie wiesel(2)

emoções(2)

equador(2)

esperança(2)

espiritualidade(11)

evereste(3)

excesso de peso(2)

experiência(3)

família(3)

fantasia(12)

ficção(4)

guia(3)

helena marques(4)

hermann hesse(3)

história(3)

humor(8)

índia(3)

infanto-juvenil(3)

isabel allende(3)

jorge bucay(3)

josé rodrigues dos santos(4)

josé saramago(5)

juvenil(5)

lisboa(3)

lista(80)

livro(12)

livro técnico(8)

livros(238)

marion zimmer bradley(3)

miguel sousa tavares(4)

morte(3)

natal(6)

nobel(8)

nora roberts(3)

oriente(3)

paulo coelho(8)

pessoal(4)

psicologia(4)

real(3)

reflexão(4)

relacionamentos(11)

romance(119)

romance histórico(3)

sensibilidade(3)

sucesso(3)

testemunho(9)

toxicodependência(3)

vencer(3)

vender(81)

viagem(3)

viagens(6)

viajar(3)

victoria hislop(3)

todas as tags

arquivos

Novembro 2016

Setembro 2015

Junho 2015

Abril 2015

Julho 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

pesquisar

 

Visitante

Hit Counter
Free Counter

Facebook

Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014

Marc de Smedt - Elogio do Silêncio

 

Descrição

"O silêncio é a cor das ocorrências da vida: pode ser ligeiro, denso, cinzento, alegre, venerável, aéreo, triste, desesperado, feliz. Colora-se de todas as infinitas tonalidades das nossas vidas... Se o escutarmos, o silêncio fala-nos e elucida-nos constantemente acerca do estado dos lugares e dos seres, acerca da textura e da qualidade das situações que enfrentamos. É o nosso companheiro íntimo, o âmago permanente do qual tudo se liberta.

Esta obra é uma meditação sobre esse elemento essencial e desprezado das nossas existências. Num mundo cada vez mais ruidoso, o valor do silêncio tem de ser redescoberto. Talvez o tenhamos esquecido, mas nós somos seres portadores de toda a sabedoria imemorial do silêncio.

Eis, expressa através de palavras, uma tentativa de viagem pelo não-dito. Que nada quer provar, mas apenas... sugerir."
Elogio do Silêncio de Marc de Smedt
Excerto

Origens: a palavra "silêncio" aparece na nossa língua no século XII, mais exactamente em 1190. Descende do latim silentium, e é portanto a sua tradução exacta. O francês arcaico empregava mesmo, à semelhança do latim silere, o verbo siler, que significava: calar-se. Hoje em dia encontramos, relacionado com ele, um adjectivo: silencioso, silenciosa; um advérbio: silenciosamente; e um curioso nome vindo também da antiguidade romana: silenciário, palavra que designa o oficial que fazia manter o silêncio entre os escravos e, por acréscimo, os religiosos que mantêm um longo silêncio, como os Trapistas e todos aqueles que se mantêm em silêncio durante longos períodos.

Silêncio: o primeiro sentido desta palavra, que tem como particularidade ser o único substantivo masculino que acaba em ence, em francês, é o estado de se calar, de permanecer mudo. A partir deste primeiro significado, foram inventados outros usos para a palavra. O Littré enumera nada menos que treze grupos, que se dividem em múltiplos subgrupos; definindo primeiro que tudo o estado de uma pessoa que se abstém de falar. "A rainha de Inglaterra dizia que os príncipes deviam manter o mesmo silêncio que os confessores e ter igual discrição", escreve Bossuet, que descreve três tipos: o silêncio de zelo, que deve ser usado para a concentração numa tarefa; o silêncio prudente, usado nas conversas; e o silêncio paciente, aplicado nas contradições. Pascal, por outro lado, privilegiava o silêncio perante Deus: "Devemos guardar silêncio tanto quanto pudermos, e alimentarmo-nos apenas de Deus, que sabemos ser a verdade", escreve ele nos Pensamentos, apesar de se contradizer algumas linhas à frente: "O silêncio é a maior perseguição, jamais os santos se calaram", o que é, aliás, falso.

 

 

Estado de conservação: 5 estrelas

 

Preço: VENDIDO

publicado por livros2amao às 17:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Junho de 2013

Henry David Thoreau - A Arte de Caminhar

 

Descrição:

Thoreau mantinha-se eternamente insatisfeito com a vida na sociedade e com o modo como as pessoas viviam. Há relatos de que visitou aldeias indígenas só com a roupa do corpo, ao contrário de seus contemporâneos, que o faziam com armas em punho. Segundo as suas próprias palavras, ele foi morar para a floresta porque queria "viver deliberadamente". Queria "defrontar-se apenas com os fatos essenciais da existência, em vez de descobrir, à hora da morte, que não tinha vivido". No período na floresta, ele queria "expulsar o que não fosse vida". Esta sua arte de caminhar é um elogio à natureza selvagem e ao homem livre, no reencontro do caminho do primordial, e que procura libertar-se da doença moderna, regenerando-se nas fontes do vigor.

 

Estado de conservação: 5 estrelas

 

Preço: VENDIDO

publicado por livros2amao às 19:06
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012

Werner Herzog - Caminhar no Gelo


Descrição:

«Outra pessoa apanhava de imediato um avião e estava em Paris numa hora e meia. Werner Herzog preferiu demorar três semanas, porque acreditava que quanto mais tempo demorasse mais tempo a sua amiga Lotte Eisner tinha para ficar boa. Ele confiava nos sonhos mais tresloucados, e nada impedia que aquela viagem de Inverno impedisse a morte de alguém. Herzog atravessa bosques, aldeias, rios, vinhas, passa por radares, locais históricos, inscrições religiosas, vê corvos, cães, veados, extasia-se com as estrelas, avança pelo vento e o nevoeiro, sofre a chuva e a neve.
Quando chegou a Paris, encontrou a quase octogenária Lotte doente mas estável. "Alguém lhe deve ter dito por telefone que eu tinha chegado a pé — eu não queria revelá-lo. Sentia-me embaraçado e pousei as pernas doridas num segundo sofá que ela empurrou para perto de mim." Em silêncio, ela agradece o esforço, ele está esfusiante por ter conseguido. Lotte Eisner morreu em 1983, e só não morreu nove anos antes porque em 1974 Werner Herzog não a deixou morrer.»
Pedro Mexia, do Prefácio


Estado de conservação: 5 estrelas


Preço: 12€


Excertos: aqui

publicado por livros2amao às 23:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Outubro de 2012

Carlos Ferreira - Alguma Dor Cura a Alma



Descrição:

"Há meia hora que espero. Mas basta ver o céu negro de nuvens carregadas, que ameaçam desabar, para perceber o inevitável. O tempo está escuro, mais do que o habitual àquela hora. Na rua passam alunos, outras pessoas a caminho do trabalho e algumas que não denunciam o seu destino. Encasacadas e de chapéu de chuva em posição de resistir ao vento frontal. Esperar é nunca alcançar. Sigo-lhes o exemplo e parto. Um passo é uma luta contra o rio que enche a estrada, as valetas, os terrenos marginais. É um combate contra a água projectada pelos rodados  dos camiões que circulam incessantes, às vezes perigosamente perto. E que provocam sucessivas vagas de vento e fazem penetrar ainda mais fundo no corpo a chuva e o frio, como ondas gigantes contra uma casca de noz. Desistir não é hipótese. Resta continuar".


O Caminho Português para Santiago de Compostela é o segundo mais importante e gera receitas anuais superiores a nove milhões de euros. A frequência de peregrinos aumentou seis vezes na última década. Em sentido contrário há também um crescente número de fiéis no Caminho de Fátima, arrastando orações e gerando negócios. Estes são os dois principais santuários cristãos da Península Ibérica, aos quais afluem 230 mil peregrinos tradicionais por ano - mais de nove milhões de pessoas, se incluirmos a totalidade de visitantes. Esta reportagem conta a história dos caminheiros e de um jornalista que palmilhou os seus destinos.

 



Estado de conservação: 4,5 estrelas


Preço: VENDIDO


Alguns excertos: aqui1aqui2aqui3

publicado por livros2amao às 16:43
link do post | comentar | favorito